Coluna - Clinica Mais Pires - Taubaté/SP
350
page-template-default,page,page-id-350,bridge-core-1.0.4,ajax_fade,page_not_loaded,qode-page-loading-effect-enabled,,qode_grid_1200,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-18.0.8,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive
 

Coluna

Contamos com profissionais especialistas em joelho que passaram por uma avaliação muito criteriosa para fazer parte desta equipe.

A coluna vertebral é formada por 33 vértebras: sete cervicais, doze torácicas, cinco lombares, cinco sacrais e quatro coccígeas, diferenciadas entre si por características próprias.

A coluna é dividida basicamente em duas porções: uma porção anterior, formada pelo ligamento longitudinal anterior, o corpo vertebral, o disco intervertebral e o ligamento longitudinal posterior; e uma porção posterior, onde se encontra o canal vertebral, o ligamento amarelo, as articulações apofisárias, os ligamentos interespinais e supra-espinais, os pedículos, as lâminas, os processos transversos e espinhosos.

A coluna tem como característica a flexibilidade por possuir vértebras móveis entre si. A estabilidade é conferida principalmente pelas estruturas ligamentares e osteomusculares. As principais funções da coluna são a proteção da medula espinal, movimentação e marcha, manutenção da postura ereta, suporte do peso corporal e a conexão entre o occípito e o sacro.

São quatro as curvaturas fisiológicas: lordose cervical, cifose torácica, lordose lombar e cifose sacral. Essas curvas neutralizam-se, possibilitando o equilíbrio da coluna.

As curvaturas são importantes para a distribuição do peso, evitando sobrecarregar áreas específicas e distribuindo as forças compressivas.

Esportes com características de uso dos membros superiores, como tênis, apresentam abordagem e incidência de patologias completamente diferentes dos esportes de predomínio dos membros inferiores, como o futebol. Por esta razão que, o estudo da coluna vertebral no esporte inicia-se pela análise das características do esporte praticado. Esportes de resistência e explosão também geram patologias diferentes e devem de abordados distintamente. A observação do contato e, impacto tem importante função para análise do risco de lesão em cada prática esportiva.

 

Uma boa história associada ao exame físico e conhecimento da patologia da coluna é a chave para o bom entendimento do paciente. Os exames complementares como radiografia, tomografia ou ressonância magnética mostram apenas a topografia e a anatomia das doenças, não tendo valor isolado. A propedêutica faz a correlação e o diagnóstico.

Pela estratégica localização da coluna vertebral, desempenha um importante papel na biomecânica. Ao realizar um movimento com o membro superior ou inferior, a coluna participa fornecendo estabilidade e magnificação a este movimento.

 

A movimentação da coluna é um somatório de todos os pequenos movimentos entre os corpos vertebrais, sendo que cada um realiza seis tipos de movimentos: deslizar para frente e para trás no plano sagital (translações anterior e posterior), inclinar para frente e para trás em torno de um eixo frontal, deslizar lateralmente no plano frontal (translação lateral), inclinação lateral no plano frontal, distender e comprimir no eixo horizontal da coluna, rotação axial.

 

A essência de um bom exame da coluna está na aptidão em observar anormalidades no movimento e relacioná-las primariamente aos sinais e sintomas do paciente e, secundariamente, ao que seria esperado desse indivíduo quanto à idade, sexo, raça e biótipo, em relação ao que se espera para um bom desempenho durante a atividade esportiva.